Um até já Restaurante Aquarelle

Comer no Algarve é sempre uma experiência surpreendente, as escolhas são tantas que por vezes encontramos-nos numa rua com cinco tipos de cozinhas diferentes e a escolha torna-se deveras difícil pois queremos absorver com tal paixão tudo o que o Algarve tem para oferecer.

O que torna peculiar o Algarve sem dúvida é esta multiculturalidade que mistura ingleses com portugueses, marroquinos, árabes ou chineses. Os seu produtos frescos do mar torna esta região especial.

Há duas semanas tive a oportunidade de experimentar um menu especialmente criado para o blogue, como despedida para a minha aventura em Londres, no Restaurante Aquarelle pela Chefe Teresa Afonso que para além de uma grande amiga foi também  das primeiras chefes com quem tive o prazer de me cruzar mesmo no inicio da minha carreira.

O espaço transmite uma atmosfera neoclássica com influências claramente italianas que evoca a intimidade e o conforto. Para além do seu interior acolhedor, também nos presenteia com um jardim romântico, que no Verão convida os amantes a se apaixonarem.

Mas voltando àquela noite mágica, o menu iniciava-se com um carpaccio de bacalhau fresco com vinagrete de citrinos, seguindo-se por um crocante folhado de pêras caramelizadas e gorgonzola acompanhado por uma salada de nozes estaladiças, o doce caramelizado da pêra contrastava perfeitamente com o aroma intenso do gorgonzola, o cremoso do queijo e da pêra balanceava com o estaladiço do folhado. A entrada foi servida acompanhada por um Muros Antigos Alvarinho by Anselmo Mendes.

O prato de peixe contava com um fresco pregado e um cremoso puré de ervilhas cujo sabor armonizava com o molho de champanhe que trouxe um toque luxuoso ao prato. Não faria sentido se está prato não emparelha-se com um agradável Redoma (branco) de 2014.

11.jpg

Uma refeição com ingredientes tão nobres não poderia continuar sem um  angus bife maturado, acompanhado pelas mais famosas batatas doces de Aljezur, que juntamente com um Redoma (tinto) 1997 transportava o nosso imaginário para as melhores caves portuguesas . Para quem não conhece, o processo de maturação de um bife é como o efeito da caves num queijo ou num bom vinho do Porto, o tempo  faz com que o bife desidrate mas preserve o seu sabor, intensificando-o. Se quiserem saber mais sigam o link do vídeo  What is  dry-aged beef.

12

Na escalada de um menu de degustação cada prato deve surpreender mais que o anterior  e para terminar com uma sobremesa clássica nos últimos anos nas mesas europeias um cheesecake com a particularidade de ser aromatizado com Amaretto cujo sabor de amêndoas é enaltecido apesar de o licor apenas possuir 10% de amêndoas.

13

Sem dúvida que a despedida do Algarve tornou-se mais difícil, fica a promessa de regressar ao Restaurante Aquarelle e ao Algarve para mais uma deliciosa experiência.

 

Texto de Paula de Almeida

Advertisements

2 Comments Add yours

  1. Becky B says:

    Wow this meal looks incredible. All of our Algarvian meals out are in family run restaurants, so very local and very Portuguese. You can definitely see elements of what they cook in the menu you had, but so beautifully presented and with a twist that looks absolutely delicious.

    Like

    1. CookingTrip says:

      Hello Becky thank you for your comment in fact it was a lovely meal, with all those fresh and local ingredients.
      Its a “must try” in Algarve.

      Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s